14 de setembro de 2016

[Resenha] A Lista do Nunca / Koethi Zan




A Lista do Nunca / Koethi Zan


O suspense de estreia da americana Koethi Zan, A Lista do Nunca (The Never List, 2013, Editora Paralela, 272 p.) me chamou atenção pela intrigante sinopse, porém, diferentemente de várias leituras de autores novatos que me agradaram, esse livro não me surpreendeu positivamente. A premissa é muito boa e atual, mas o desenvolvimento do enredo deixa a desejar, tornando o livro superficial.

A história acompanha Sarah que está a dez anos confinada em seu apartamento, fugindo do mundo, após sofrer o segundo grande trauma da sua vida. O primeiro ocorre na infância ao sofrer um grave acidente de carro e começar, juntamente com sua melhor amiga Jennifer, a compilar o tal “lista do nunca” a que o título do livro se refere.

Essa lista, baseada em estatísticas e minuciosas investigações visando evitar situações em que poderiam não estar seguras, consome toda adolescência das garotas. Até aqui eu acreditava no potencial do livro, pois estresse pós-traumático e TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo – são temas extremamente interessantes dentro do universo da psicologia. A tentativa de controlar o incontrolável, comportamento tão inerente a esse transtorno mental, é esboçado nas atitudes das meninas, porém, obviamente, a lista se torna falha quando no primeiro ano de faculdade as amigas são sequestradas.

Em curtos flashes descobrimos que ambas permaneceram no cativeiro em companhia de mais duas garotas, sendo torturadas por um sádico por três anos até aproveitarem a oportunidade de escapar. Chega a incomodar a semelhança do captor com o psicopata principal da série televisiva The Following (FOX, 2013–2015): megalomaníaco narcisista, também estudioso do comportamento sob estresse tanto físico, quanto mental e obcecado em deturpar as obras de um pensador para justificar suas atitudes. Infelizmente o programa de TV é tão mediano quanto esse livro.

Na verdade, a leitura não propicia que se crie empatia com nenhum personagem, nem mesmo com a protagonista. Normalmente ocorre exatamente o oposto em livros sobre sequestros prolongados, sendo um dos principais exemplos o extraordinário relato da história real de Natasha Kampusch no livro 3096 Dias (3096 Täge, Verus Editora, 225p.) que merece uma resenha inteira dedicada a essa biografia.

Após fugir e ficar voluntariamente isolada ao longo de uma década, Sarah é obrigada a enfrentar suas fobias, procurar as antigas companheiras de cativeiro e começar uma investigação para impedir que o seu raptor consiga sair da prisão.

É no enfrentamento dessas novas situações que a autora se perde, tornando o livro, até então aceitável, em lamentavelmente inverossímil. Mais uma vez o enredo perde a oportunidade de se aprofundar na relação entre as garotas e nas consequências das atitudes tomadas em nome da sobrevivência, para se concentrar numa investigação recheada de clichês.

Talvez a falta de conhecimento sobre agorafobia – transtorno de ansiedade associado a um quadro de síndrome do pânico – e como superá-lo tenha comprometido a trama que apresenta circunstâncias que seriam evitáveis até mesmo para quem não possui uma “lista do nunca”.

Descobri que fazer a resenha de um livro que adorei é muito mais fácil do que um decepcionante, mas me senti na obrigação de dividir minha experiência com esse livro que, infelizmente, irá diretamente para a lista de não recomendados. 


Fan Page
Instagram
    G+

18 comentários:

  1. Oi Tati!
    Vim ler sua resenha esperando algo positivo em relação ao livro por ter gostado bastante da capa, mas é aquela coisa né: Quem vê capa não vê conteúdo! hahaha
    Confesso que não estou muito afim de tirar minhas conclusões sobre o livro nesse momento, mas talvez posteriormente eu adquira meu exemplar só por curiosidade mesmo.

    Muito legal sua sinceridade, também acho muito mais difícil fazer uma resenha negativa do que uma positiva :)
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!
      Foi um pouco decepcionante, pois só vi crítica positiva sobre esse livro. Acho válido a leitura mesmo assim. Afinal, leitura é, em grande parte, questão de gosto.
      Acho que foi minha segunda resenha não positiva e fiquei muito feliz por ler seu comentário :)
      Obrigada, abraços!

      Excluir
  2. Olá Tati, tudo bem? Primeiro adorei o tema do blog, amo gatos <3
    Que pena que não gostou do livro, é uma sensação muito ruim já aconteceu comigo rs.
    Ainda mais quando colocamos uma certa expectativa. Mas valeu a dica né :)

    Beijos
    Fran
    Achei e Rabisquei

    ResponderExcluir
  3. Ola :)
    Não curto muito livros nem filmes desse gênero, me da um nervoso sabe? eu não curtir muito a capa desse livro, muito menos o nome :/
    e triste quando um livro não e bacana assim não e?
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Você escreve muito bem!
    Dá uma decepçãozinha quando a gente lê um livro e depois descobre que ele é ruim, né? Por isso sempre procuro ler algumas críticas sobre eles antes.
    Eu só vi o filme de 3096 dias e posso dizer que AMEI MUITO! É muito interessante. Passa uma sensação de PRECISO AJUDAR ESSA MENINA. haha

    Um beijo,
    http://www.janainebagatini.com/

    ResponderExcluir
  5. Hey Tati!
    Eu tinha feito uma postagem num site parceiro sobre o afeto do sequestro e falei de 3096 dias e achei interessante essa lista do nunca, não cojnhecia o livro e nem a autora e apesar da premissa ser boa... Pena que naõ desenvolve bem :(
    Deve dar um nervoso ler esse livro, não? HEHEHE

    Obrigada, fico feliz que tenha gostado da postagem da bienal HEHEHEH
    o bom foi aproveitar as promoções depois da bienal ou durante na internet HEHEHE
    Um beijo!
    Pâm - www.interruptedreamer.com

    ResponderExcluir
  6. Quando vi o título e a capa pensei: esse livro deve ser ótimo, cheio de mistérios, o tipo de livro que eu vou curtir pois é o gênero que gosto. Mas lendo a sua resenha ele não me despertou nenhuma curiosidade, eu imagino que deve ter sido bem decepcionante mesmo!Como você acho legal compartilhar mesmo que não goste do livro, assim quem está pensando em comprar vai ter uma noção de como é.
    Beijos
    http://blog-mundodalua.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Realmente escrever um não gostei e mais dificil e mesmo assim gerar expectativas em um leitor. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Muito bom sua verdade sobre os os assuntos ! acho que é mais difícil fazer um texto negativo do que positivo não gosto muito de livros principalmente assim quanto não é tão bom . Mas vc escreve mto bem e sua resenha é incrível ❤

    ResponderExcluir
  9. Odeio quando pego algum livro e detesto ele :/ Geralmente eu levo num sebo e troco/vendo kkkk Mas eu tava de olho nesse livro pelo nome e pela capa, mas já vi que o conteúdo não é lá as mil maravilhas e eu não fiquei nem um pouco afim de ler ele agr kkk Aconteceu isso comigo quando li A Nona Configuração :/
    Nuvem de Novembro

    ResponderExcluir
  10. Oi Tati
    Gostei da sua sinceridade.
    Eu confesso que eu não leria esse livro porque a sinopse ja não me agrada, mas pela forma que você desenvolveu o texto também é pobre.
    Esses dias eu estava assistindo um webinario que estava falando como o uso excessivo de clichés acaba com um bom texto. Lamentável!

    Beijos

    Meu mundinho quase perfeito

    ResponderExcluir
  11. Oie, tudo bem? Pela capa e nome o livro parecia ser bem interessante. Gosto de livros com uma temática mais suspense, policial e até mistério. Uma pena que ele não tenha conquistado você. Mas é normal, as vezes vamos com muita expectativa e o livro não entrega aquilo que promete. Fazer o que, esperar pela próxima leitura rs O melhor é que cada livro é uma experiência, seja ela positiva ou não. No final, sempre tem algo a nos ensinar. Beijos, Érika *-*

    ResponderExcluir
  12. Livro que entrou na minha lista! A capa é maravilhosa <3
    A história também é super interessante, até porque eu amo suspense. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico triste que não tenha conquistado você ):

      Excluir
  13. Poxa, que pena =( Um tema tão bem pensado e denso, que dava pra render horrores numa história mega profunda e a autora não conseguiu. Se chegou no ponto da personagem com todos seus problemas e transtornos não conseguir gerar essa empatia é porque o trem tá feio!
    E eu te entendo porque nunca consigo escrever resenhas de livros que acho ruins, sempre acabo desistindo!

    ResponderExcluir
  14. Aí que horror, ao ler a sinopse não sei porque mas me lembrou um filme que assisti "os suspeitos", vc já viu? Mostra uma psicopata louca que capturava crianças e as torturavam e depois matavam... Horrível! Poxa que pena que a autora "se perdeu", a gente fica querendo achar algo ao que se apegar mas fica difícil quando a história "não te toca"... :(

    ResponderExcluir
  15. Achei bastante interessante o livro e olha que não sou muito fã desse gênero. Adorei sua resenha sobre, está bem explicadinho!!

    ResponderExcluir
  16. Quando a gente lê o nome do livro, pensa que o livro é ótimo mas pelo jeito só tem um ótimo nome rs
    Que pena que o livro não é bom, mas a sua resenha ficou muito boa, já sei que esse livro não quero ler rs

    Beijos

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...